Quatro razões para ir à praia

Serão mais saudáveis as pessoas que vivem junto ao mar? A ciência garante que sim! Seguindo à risca esta premissa mundial, podemos concluir sem risco de dar lugar à insolência que nós, os algarvios verdadeiros e os ‘emprestados’, andamos todos de corpo e alma em forma.

Saber isto já seria suficiente para sustentarmos o mais pobre que fosse dos argumentos para justificarmos o vício de ir à praia. Faça verão ou inverno. Mas como às vezes gostamos de saber o porquê das coisas, podemos acrescentar um pouco de sabedoria à nossa vidinha maravilhosa passada aqui na orla do oceano.

Os benefícios da praia para a nossa saúde são inúmeros, mas quatro deles chegam para nos empurrarem para as ondas do mar o mais depressa possível. Por palavras simples, aqui fica a explicação do que acontece quando estamos em qualquer um dos dourados areais do Algarve:

1-As ondas do mar produzem íons negativos que aceleram a capacidade do nosso corpo para absorver oxigénio e estabilizar os níveis de serotonina (aquele hormónio fundamental para andarmos mais contentes). Só por isto já valia a pena…!Benefícios da praia

2– Os murmúrios do mar ativam uma parte do nosso cérebro, o córtex pré-frontal, onde estão ‘alojadas’ as nossas emoções. Daí sentirmos que o mundo nos saiu de cima dos ombros quando chegamos à praia. Porque somos invadidos por uma sensação de paz e de relaxamento, propícios à reflexão. Será por isso que vamos passear junto às ondas quando queremos pensar num assunto importante?

3– O som cadenciado do mar, mesmo quando está agitado, é um calmante natural e tem ainda um outro efeito positivo na nossa saúde física e mental: baixa os níveis de cortisol (mais um hormónio), responsável por despoletar doenças associadas ao stress. Assim sendo, funciona como uma excelente terapia de prevenção.

4– A imagem que o oceano nos oferece também contribui para o nosso bem-estar, proporcionando-nos uma sensação de segurança. Os neurocientistas explicam que este fenómeno ocorre porque os seres humanos gostam de ambientes estáveis e previsíveis. Ora bem, chegados aqui não vamos pensar em coisas ruins, do género tsunamis ou tubarões martelo (que não fazem mal a ninguém)…Vamos mas é mergulhar de olhos abertos e deixar que se roa de inveja quem não teve este privilégio de nascer junto ao MAR! E há coisa melhor?

A mais cara das belas praias que nos encantam no Sotavento algarvio

Não têm falésias por isso não favorecem por aí além engenhosos enquadramentos fotográficos, mas as praias do Sotavento não deixam nada a desejar quando comparadas com as do outro lado do Algarve.

As águas mais mornas, as ondas quase sempre menos tempestivas, os areais planos que se perdem de vista e aquele eterno abraço que promovem entre o oceano e a Ria Formosa, dão-nos uma sensação de afago que não encontramos em mais sítio nenhum. Talvez pela atmosfera que nos chega no assobio dos ventos nascidos nos desertos ondulantes, logo ali no norte de África, não sei. Sei que, de Loulé a Vila Real de Santo António, as praias são mais lânguidas, mais doces e chamam-nos para momentos de verdadeira comunhão com tudo o que é natureza.

Passear junto ao mar, ficar de costas nas dunas a olhar para o céu, esperar que o sol se deite silencioso no horizonte, enfim, há tanta poesia para fazer nestes longos quilómetros de costa que apetece ter verão o ano inteiro.

Não tenho espaço para falar de todas, por isso escolho a que fica quase no extremo da zona este, para ilustrar um breve postalzinho deste lado do paraíso: Manta Rota.

Escolho-a também porque, segundo o maior motor de busca e comparador de preços de hotéis do mundo (Trivago), esta nossa praia algarvia foi das mais procuradas nos últimos dois anos, pelos turistas que escolhem destinos nacionais à beira-mar. Entrou aliás para o TOP 10 das praias emergentes em Portugal, durante este ano. Mesmo sabendo-se que, acredite-se ou não, esta também é, segundo um estudo divulgado pela agência de viagens online Travel Bird, a segunda praia portuguesa mais cara entre as mais caras do planeta.

Cara? Só se for porque é uma das que mais nos custam a esquecer…

De pés descalços sobre a areia macia, quem é que quer saber de outra coisa que não seja mergulhar no sonho de viver para sempre junto a este imenso mar azul?!

Quando puderes, vem!

Despidos na praia: sim ou não!?

A quem anda vestido de preconceitos ou timidez desaconselha-se a ida a algumas praias do Algarve. Não sendo oficialmente vocacionados para o nudismo, muitos areais tornaram-se tradição para os naturistas e outros tantos começam a ser cada vez mais reclamados pelos adeptos desta prática permitida por lei.

São oito no País as praias oficialmente autorizadas para o nudismo. Estranho seria que, destas, pelo menos três não fossem algarvias: Ilha de Tavira (Tavira), Adegas (Aljezur) e Deserta (Faro). Mas há outras tidas como ‘toleradas’ por beneficiarem de características excecionais, como o isolamento e o acesso mais difícil, que resguardam a nudez e preservam em simultâneo quem não combina o amor pela praia com este estilo de vida.

Atenta a eventuais constrangimentos para ambas as partes, a Federação Portuguesa de Naturismo recomenda mais oito zonas balneares no Algarve onde é possível tirar a roupa sem riscos de maior. Cinco escondem-se nos belos recantos da Costa Vicentina: Bordeira (na zona da Carrapateira), Cabanas Velhas, Furnas e Zavial (Vila do Bispo) e Beliche (Sagres). Mais para Sul, as praias dos Pinheiros (Lagos), da Armona (Olhão) e das Quatro Águas (Tavira), entram na lista das tais ‘transigentes’.

Nudismo 3Curiosamente nenhuma delas é, por exemplo, a da Meia Praia, onde os nudistas se misturam sem problemas aos ‘outros’ turistas que já a frequentam também por tradição. E não é caso único numa região onde a tolerância é tão abundante como o sol, o mar e as dunas extensas que chegam para todos.

Que não restem é dúvidas quanto à legalidade de nos despirmos em local próprio. O nudismo é permitido em Portugal desde 1988 por uma lei refrescada em 2010 para pôr um ponto final à discussão: “O naturismo é um conjunto de práticas de vida ao ar livre em que é utilizado o nudismo como forma de desenvolvimento da saúde física e mental dos cidadãos, através da sua plena integração na natureza”.

Bons mergulhos saudáveis! Ao natural ou não…

Por que raio te amo com este perigoso amor?

Hoje tinha de falar sobre ti. Do amor que me prende às tuas cores, ao teu terrível provincianismo, à tua falta de dimensão planetária, à escassez de figuras influentes que te elevem até Lisboa e à ausência de uma dinâmica finalmente isenta dos complexos da periferia.

No dia da inauguração deste blog tinha de falar sobre esta paixão que ameaça explodir-me o coração, sempre que sinto o teu cheiro na maresia, sempre que me surpreendes com estes magníficos céus azuis, ou quando me provocas com o recorte das tuas rudes falésias e me atormentas com os ventos de Espanha.

Tinha de falar do amor e da paixão que sinto por ti, apesar de seres feito de quase nada. E no entanto, permaneço-te fiel.

Será por esta luz que não é igual em mais nenhuma parte da Terra? Por estas paisagens que irrompem das ondas, das serras e dos rios? Destas pessoas velhas que habitam o interior, numa serenidade que nos emociona até à alma? Do verão com cheiro a sorvete e a pele queimada? Dos invernos melancólicos junto ao mar, das culturas que atrais às vezes sem cultura nenhuma e deste poético pôr-do-sol que nos inspira?

Ou talvez pela ilusão de que, um dia, ainda irão tod@s perceber a nobreza que guardas e reconhecer a beleza destas gentes teimosas que te sustentam à força de braços, para te fazer menos pequenino e esquecido?!

Será razão para este amor, as saudades que sinto de ti, quando estou longe? Ou é por realmente me fazeres parecer que o Mundo começa mesmo aqui? Pois se por ti, só por ti, nunca parti…Algarve!