‘Toino Zé- O Mata Porcos’: entre sem receio porque vai querer ficar

O nome arrepia um bocadinho mas não há quem não se sinta rendido assim de imediato à sua originalidade. Depois queremos saber mais e então recuamos no tempo, à altura em que ‘O Mata Porcos’ começou a ser alcunha para dar a conhecer António Alexandre, amigo de Toino Zé, o pai de Fernando. Já falaremos de Fernando…

Mata porcosVoltemos a ‘O Mata Porcos’ e a 1955, época em que a taberna de António era ponto de encontro para quem se esfolava a trabalhar desde manhã cedo nos fumeiros e nas obras para, ao fim da tarde, procurar aconchego num copo de três e nas parcas palavras com camaradas das mesmas sortes. Mas nem todos se ficavam só pelo vinho. A atração da casa eram na verdade as bifanas do António, que matava porcos na fazenda da Bemposta e os transformava em chouriças e suculentas febras, que lhe haviam de conquistar clientela e fama inabalável. Até hoje.

Por falar em hoje, falemos então de Fernando. Fernando Conceição. Filho de Toino Zé (António José), o homem que, a 8 de abril de 1974 -já os rostos do dia 25 se perfilavam nos quartéis militares, decidiu ficar com o negócio e dar à ‘venda’ um rumo mais adequado à sociedade portuguesa que havia de começar a florescer daí a quinze dias. Celebrava a revolução dos cravos 16 anos, quando o fenómeno do turismo que começava a agitar a região, arrancou Fernando aos estudos universitários para substituir o pai num negócio que passava a exigir o domínio de línguas novas. Uma troca sem dor, a adivinhar pela alegria de Fernando, gerente de uma das mais famosas casas de pasto de Portimão.Toino Zé

Quem entra agora pelo número 22 da Rua Alexandre Herculano, encontra uma atmosfera quase liberta desse passado, que parece muito longínquo para quem dele não fez parte. E digo quase, porque a estória de ‘Toino Zé-O Mata Porcos’ estará eternamente presa ao nome que lhe fez história, razão mais que suficiente para permanecer intocável. Aqui já não são só as bifanas que fazem parte do cardápio. Quem aprecia a gastronomia regional, tem propostas irrecusáveis como arroz de polvo, lulinhas à algarvia, migas com entrecosto, peixe assado na brasa, jaquinzinhos fritos e claro, carne de porco com amêijoas. Mata porcos 1

Tudo isto sabe ainda melhor se repararmos em pormenores como o chão – um prolongamento da calçada da rua das lojas, e também uma parte das paredes forradas a xisto de Monchique, que dão à casa um ar rústico para nos abrir logo o apetite de ficar aqui. Mas o que realmente nos satisfaz é a simpatia do Fernando, homem grande com um sorriso proporcional ao seu metro e noventa, que nos convence a gostar deste ambiente familiar e caseiro. Caseiro na verdadeira acepção da palavra porque, o que sentimos quando apreciamos a forma como o Fernando recebe os clientes, é a impressão de estarmos na casa de alguém de família. E isto já é tão raro…! E continua a ser tão bom!

E lá se vão os arrepios…