A nossa Feira já voltou à cidade

A Feira de Faro toca-nos a todos. Não há farense, nascido ou não por cá, que não sinta este assalto de emoções que se cruzam um pouco entre a ternura e a nostalgia, quando o Largo de São Francisco é invadido por uma parafernália colorida e muito ruidosa para se fazer ouvir na cidade inteira.

Bem sei que estamos todos forçados à evolução e, mais dia, menos dia, a Feira de Faro tinha de vir a ser o que é hoje. A diversão a par de um ombreado de barracas sem personalidade nenhuma, mas muito obedientes a impiedosos critérios de segurança. Não é condenável, mas é uma chatice. Não para as gerações mais novas, porque essas já não vão a tempo de guardar da nossa feira uma imagem carregada do mesmo romantismo que nos faz, a nós, falar dela com a voz um bocadinho embargada. Para quem ansiava pela chegada do mês de outubro e não se importava de enterrar os pés na lama antes de saltar para o carrossel, ou entrar num circo literalmente a rebentar pelas costuras, a questão é muito séria…

Feira 5Todos os anos vou à Feira de Santa Iria. E apesar de não ser nada saudosista, cedo sempre à insistência de umas quantas recordações que gostam de me fazer companhia logo à entrada das ruas estreitinhas, onde antigamente começávamos a encontrar as mulheres do campo a vender nozes e figos torrados em sacos de serapilheira desordenados pelo chão. Onde já nos sentíamos empurrados para a frente pela voz roufenha do leiloeiro de mantas que nos enchia os ouvidos e de uma grande vontade de ter uma assim peludinha a aquecer-nos o inverno. Porque nessa altura fazia frio e chovia durante a feira. E comprava-se ioiôs de serradura que ninguém suspeitava serem armas perigosas mascaradas de brinquedo. E o algodão doce, que era feito de uma doçura natural e tinha um tamanho maior do que a nossa cabeça, deixava-nos os lábios pintados a cor-de-rosa. E também havia multidões descoordenadas à porta dos circos e nas pistas dos carros de choque, porque ninguém sabia o que era uma fila e a educação era uma coisa espontânea. A feira era feia mas deslumbrava-nos tanto, que por nós estávamos lá todos os dias.Feira

Se gostava que a Feira ainda fosse o que era? Não! Mas só porque agora, sou eu que limpo os meus sapatos.

Hoje é o primeiro dia da Feira de Santa Iria e antes que acabe vou lá fazer o que sempre fiz: comprar um saquinho de torrão de Alicante e mordê-lo devagarinho, enquanto volto para casa a disfarçar o outro sabor -o desta parvinha saudade. Isso, ninguém me tira! E a chuva também há-de voltar…!

Um jantar inesquecível na melhor tasca da capital algarvia

Este é um daqueles casos em que, por muito que se queira encontrar um defeito, não conseguimos. E não é o calor que nos faz andar mais desvairados e condescendentes que torna o elogio a melhor expressão para definir um espaço perfeito.

Cumprindo o hábito de deixar o melhor para o fim, começo já por dizer que ir comer à tasca do joão é viver uma experiência invulgar. Assim que chegamos, satisfaz-nos a certeza absoluta de não nos termos enganado na escolha. Depois, lá mais adiante, logo se verá.

Aqui todos os elementos são os mais certos no lugar certo. As madeiras escoriadas das Tasca 6

tasca

janelas e dos armários, as cadeiras revivalistas, os bancos aconchegados em almofadas bonitas, a luz fraca na esplanada, o azul que impera no ambiente e as mesas sem toalhas que tanto aprecio. E assim, logo à primeira, gosta-se imediatamente do João, dono de um profissionalismo extraordinário que merece ser copiado.

Tudo corre bem até chegarmos ao menu de tapas e carta de vinhos. Quando esta estória passa a um capítulo praticamente indescritível. Alinhados em sabores verdadeiramente desconcertantes, os petiscos que saem da cozinha trazem vestígios de um mistério, adensado à medida que a mesa começa a ficar curta para acolher as tantas prevaricações do apetite.

A acompanhar o ritmo da água que canta na fonte luminosa ali ao centro do largo Pé da Cruz, desfilam petiscos tão ‘banais’ como chouriço salteado com mel e tomilho, filete de biqueirão, lingueirão ao alho, tosta de cavala, tiras de porco preto com alho… A banalidade fica-se, claro, pela denominação de cada um destes pitéus profundamente divinais, que nos induzem à convicção de estarmos a comer pela primeira vez na vida.

Tasca 4As temperaturas altas nestas noites de verão exigem um branco e até nisso temos sorte, porque como o João pensa em tudo, o vinho permanece fresquinho até à última gota.

E agora o epílogo. Aquela parte em que a indiscrição chama à nossa presença o grande culpado disto tudo. E esta é a única vez em que engolimos em seco. Gonçalo, um dos futuros melhores cozinheiros do Mundo, tem apenas 21 anos. E por hoje dele não digo mais nada. O dom deste jovem com um sorriso melodioso merece um dia só para ele. Ah se merece!

E porque não me canso de dizê-lo, repito: gosto muito d’a tasca do joão. E gostava que continuasse a fazer parte da nossa vida durante muito tempo. Até nos aborrecermos de gostar de estar aqui. Ou seja…

As (muitas) mulheres de Milai Miu despem-se na Casa do Jardim

Para mim faz mais sentido se começar por falar do ‘amor-próprio’. O vídeo performance em que Milai Miu se liberta de velhos estereótipos, despe a roupagem de mulher- modelo/mulher- vítima e solta-se para partir em direção a um caminho novo.

Assim, também é mais fácil começar, porque posso fazê-lo exatamente neste ponto crucial: o caminho novo. Para já porque, falar de Milai Miu e falar de SUMMA, a sua primeira exposição a solo, são dois exercícios tão intrinsecamente ligados que não consigo desprender-me de um para pegar no outro.

Este caminho novo, um dos muitos que já lhe pertencem há quatro décadas, começa a ganhar vida mais precisamente em e com SUMMA, quando decide revelar-se e revelar-se-nos em múltiplas facetas, todas no feminino. Na palavra roubada ao grego antigo (summa=soma) a artista encontra o espaço ideal para desmontar cada uma delas e mostrá-las num processo tão espontâneo, que atinge uma simbiose quase perfeita. Quase, porque se fosse perfeita, estaria esgotada e Milai não se esgota. Ela explica-se e explica-nos a homenagem às “muitas mulheres antigas que nela habitam”, mas também às outras.

Summa_Coração em construçãoSumma_1Summa_Útero_1

“Nesta minha viagem, encontro, passagem, consciencialização do feminino, apercebi-me das suas várias facetas, bem como da influência que várias mulheres amigas têm sobre mim. Por isso, sou a SUMMA de todas essas mulheres interiores e exteriores”, assume Milai que, nesta exposição, preferiu por isso não estar só, embora a quem nasce para fazer arte não reste outra condição que não essa.

No vídeo “saia rodada” surgem várias mulheres, unidas pelo ritmo (ou pelo abraço?) da dança e depois mais mulheres convidadas a definir (ou a definir-se), o conjunto de obras expostas na casa às riscas da Alameda.

Tudo interior, tudo sensações, tudo sentimentos, que se somam na versão plástica de uma artista pronta a deixar-se esculpir por um fremente desejo de transgressão. Umas vezes muito subtilmente, noutras com um despudor intenso. Mas sempre dramático.

Não vos disse? Falar de SUMMA é falar de Milai Miu. Mas este registo é apenas um ínfimo detalhe numa metamorfose que já não se contém, que não quer nem pode ficar contida. Esperamos que sim. De uma artista multifacetada espera-se tudo!

Entrem na Casa do Jardim (Jardim da Alameda), em Faro e comecem pelo ‘amor-próprio’, porque é melhor começar com um arrepio a atravessar-nos a pele.

Summa 3_1

Milai Miu (Maria Adelaide Fonseca) nasceu nas Caldas das Taipas e reside no Algarve desde 1993, altura em que começou a trabalhar em teatro, performance, cinema, artes plásticas e visuais e em fotografia. SUMMA-Exposição de Instalação e Vídeo, pode ser visitada até 12 de agosto, de 3ª a sábado, das 16h30 às 18h30.

Jantar no centro histórico de Faro é como ficar em casa

É como se decidíssemos jantar no lugar mais acolhedor da casa. Quando escolhemos qualquer um dos restaurantes aninhados entre as muralhas do centro histórico de Faro, a sensação de conforto senta-se ao nosso lado.

E não é apenas pelos ambientes servidos na meia dúzia de restaurantes simpáticos que decoram a Praça D. Afonso III e as outras ruas de calçada onde se guardam longos séculos de muitas vidas. É particularmente pela envolvência desta zona urbana que, durante tanto tempo, ignorou o seu próprio valor patrimonial e histórico.

Se hoje é um dos mais interessantes cartões-de-visita da cidade, deve-se muito especialmente aos investimentos feitos pela restauração, numa tentativa de angariar atrativos para uma capital de distrito que andou tão carente de orgulho.

As ementas elaboradas e o cuidado na sua apresentação fazem a grande diferença neste romântico cantinho de Faro, onde grande parte dos restaurantes prima pela qualidade e uma cozinha inovadora, sempre condimentada com as ricas tradições gastronómicas da região e do País.

É certo que os turistas são os principais ‘clientes’ do centro histórico, mas já são muitos os habitantes de Faro que começaram a participar em momentos de tertúlia, a aventurar-se pela vila adentro e a passearem-se na cidade velha, onde fazem gosto de saborear umas tapas e visitar o castelo. E por aí afora…

A verdade é que no fim de uma boa refeição, percebemos que, neste lugar com tanto tempo, quando aqui estamos esquecemo-nos dele… do tempo. É preciso que alguém nos ponha na rua para nos lembrarmos de sair. E já a noite pode ir longa…

Foto de TusDestinos

O famoso Pastel que adoça Faro

Pastel de FaroPaulo é daquelas pessoas que acreditam nas próprias ideias. Por isso nunca desistiu de fazer de uma das suas, o símbolo da cidade onde nasceu. Embora durante alguns anos a aguardar pelo momento certo, o ‘Pastel de Faro’ atingiu o ponto de rebuçado em Janeiro deste ano e já entrou na vida dos mais e dos menos gulosos. Isto porque apresenta-se em dois tamanhos.

Feito de massa folhada, enfeita-se com as cores de Faro em pequenos riscos de chocolate preto e branco, que nos desafiam a descobrir o que vem depois. Sem revelar o sempre precioso segredo do chefe pasteleiro, podemos desvendar um pouco deste bolinho que vai deixando o vício em muito boa gente. E não só na capital algarvia. São largas as centenas que já ultrapassaram as fronteiras da cidade, da região e do País, para adoçarem muitas bocas pelo resto do Mundo.

Por cá, é mais fácil. Basta passar pela rua do Alportel e parar à porta do número 50 B. O espaço da pastelaria é muito atraente mas é do outro lado da rua que nos chega o cheirinho do ‘Pastel de Faro’. Na fábrica da Confeitaria Alengarve, uma das mais antigas a sul de Portugal (criada no início dos Anos 70), é onde Paulo Madeira guarda a receita do já famoso doce regional.

paulo“Decidi criar alguma coisa que não existisse numa cidade que, sendo a capital do distrito, lhe falta tanta coisa. No início a ideia foi desvalorizada, mas nunca desisti e acabei por ter reunidas as condições para concretizar o projeto”, refere o autor.

Como qualquer boa ideia, a receita do ‘Pastel de Faro’ tem patente registada e a venda é exclusiva da Confeitaria Alengarve, por isso não adianta andar por aí à sua procura. E não, não me esqueci… Desvende-se o mistério: por baixo dos riscos de chocolate preto e branco, deixamo-nos embalar por um delicioso creme de amêndoas, ornamentado a caramelo e fios de ovos. Hoje não é um bom dia para ficarmos presos a dietas…

 

Mercadinhos tradicionais: onde se compra tudo mais barato

São pequenos oásis nas cidades já pouco habituadas aos tons da natureza. Percorrer as bancas arrumadinhas com os aromas e as cores de produtos fresquinhos vindos diretamente do campo tornou-se uma saudável rotina nas manhãs de fim-de-semana, um pouco por todo o Algarve.

Para a gente urbana é uma oportunidade para comprar produtos de qualidade a preços mais baixos. Para os pequenos agricultores, uma excelente forma de rentabilizarem hortas domésticas e projetos de menor dimensão sem espaço nos grandes circuitos comerciais.

Mercado 5_1Mercado 6_1

Aliadas as duas conveniências, o que temos são verdadeiras telas rurais que se plantam uma vez uma semana nos largos principais das nossas vilas e cidades, para nos oferecerem ambientes descontraídos onde o ar cheira bem.

Desta vez fui ao de Faro. Decorre todos os domingos de manhã, no Largo do Carmo, e é ponto de encontro obrigatório para quem não tem vergonha de fazer parte de um certo espírito revivalista. Eu gostei e comprei!

Saudade, saudade…é comer em português

Primeiro temos uma janela com cheiro a manjerico. Depois uma porta que se abre para uma casa portuguesa cheia de outros cheiros e sabores que nos mergulham em carinhosas recordações. Tudo a transbordar de sentimento. Muito português aliás, por estar todo ele concentrado numa única palavra: Saudade.

É de ‘saudade’ e em ‘português’ que vos quero falar hoje. E há tanto para dizer. Podia começar pelas Catarinas, mas vou deixá-las para o fim. Assim, comecemos pela janela por onde nos apetece espreitar mal entramos na rua Filipe Alistão.

Debruçados no parapeito deixamo-nos surpreender por um cenário luminoso, muito arejado e arranjado. Recuar agora? Nem pensar! Vamos mas é entrar no nº 43, para uma verdadeira incursão pelo que há de mais genuíno em matéria de gastronomia e de ambiente na capital algarvia.

Saudade10A acompanhar a imensa diversidade de produtos nacionais, o Saudade em Português oferece várias opções, todas elas irresistíveis e com um toque de terrível inovação: cafetaria a partir das oito da manhã, quando o cheio a café invade a rua; mercearia gourmet com produtos da região e do País, que também sustentam a cozinha do restaurante; petiscaria mais lá para a noitinha. É nesta que nos sentamos, desta vez, para vos apresentar um menu de degustação que nos arregala os olhos. Depois de saborear o xarém de ostras, as endívias recheadas com sapateira, as tibornas ou os croquetes de alheira, entre outros, voltamos a encher a boca mas agora para enaltecer a criatividade do Chef Bruno Amaro.

saudade4Saudade5Saudade3

E nisto sentimo-nos em casa. Também por causa dos recantos acolhedores como a pequenina sala docemente iluminada pelo aquário de água salgada, a dupla de sofás coloridos junto à tal janela onde podemos saborear um branco fresquinho, ou a mesa junto à máquina da ‘singer’ que faz parte de uma decoração feita de afagos, sentidos nas rendas que abraçam jarrinhas de flores e nas prateleiras onde desfilam deliciosas tradições como as compotas, o mel, os licores… Não podemos sair sem vos falar dos menus de almoço. A 7,90€, variam ao sabor das estações do ano e propõem-nos sempre entrada, prato de carne ou peixe, bebida, sobremesa e digestivo.  

SaudadeEsperem, ainda não vos falei delas: Catarina Evaristo e Catarina Estevens. Ambas possuídas por um espírito empreendedor que ameaça não ter fim e que as trouxe até Faro para criarem um conceito fora de série e do vulgar. Foi por orgulho que se rodearam de tudo o que fala, sabe e nos faz sentir Portugal, para nos deixarem nesta saudade.

E a música. Podia lá não falar da música, sempre presente, sempre terna, sempre portuguesa! Se acabasse este texto a cantar “esta é uma casa portuguesa, com certeza”, seria um bocadinho vulgar. Por isso não acabo! Mas…não duvidem, esta é mesmo uma casa portuguesa. Já está!

Ai se esta praia fosse minha…

Poderá haver outras menos selvagens. Há certamente outras mais atraentes, provavelmente esculpidas pelas mãos da natureza num dia de profunda iluminação. Até sei que há muitas onde o mar é como um espelho limpo, as dunas são macias como nuvens e a tranquilidade é tanta que nos incomoda em dias de menor ebriedade emocional.

O que eu não gosto é de nenhuma mais do que desta.

Eu sei que ela tem filas intermináveis de manhã até à noitinha, antes e depois da ponte, que é impossível lá chegar e de lá sair sem que nos suba o sangue à cabeça, sei que é difícil andar sem pisar alguém às vezes de propósito e que os automóveis têm prioridade até nos passeios.

É sabido que temos mais mil praias, todas muito melhores do que esta, mas por uma razão qualquer que ninguém percebe, há uns milhares de obstinados que não a trocam por nada e menos ainda por outras dotadas de cenários fulgurantes à beira-mar, que é o que mais temos de sobra por cá.

Comer um pastel de bacalhau aqui é escandalosamente caro, beber água engarrafada é um luxo interdito a quase todos e trabalhar para o bronze como qualquer pessoa civilizada é idílio só alimentado por caloiros na arte de veranear.

Ao mesmo tempo disto tudo, ela acolhe a ria num recorte com uma beleza absolutamente sobrenatural, deita um cheiro estonteante a maresia na baixa-mar, tem surfistas aloirados e pescadores a sério que moram mesmo lá, tem o pôr-do-sol sempre em cima do mar, uma barrinha versátil que gosta de mudar de lugar e o único resort privado do mundo com nome de parque de campismo que parece não incomodar ninguém, especialmente aos políticos com medo de lá entrar.

É vergonhosa esta praia. O meu vício mais embaraçoso. Mas há lá outro lugar assim, onde o verão nos devolva a infância? Ah, praia de Faro…

Barrinha-3108P

Crónicas de uma escritora inconformada

Um dia deu-lhe a raiva e desatou a escrever.
Agora tinha de falar sobre a sua obra. Dos livros já publicados. Mas primeiro quero falar da raiva, porque só assim posso falar de Lina, a senhora de cabelos grisalhos, certinhos, a emoldurarem-lhe o rosto pequenino, decorado com uns olhos de menina onde guarda as memórias da avó Ana.

Uma avó especial, nascida em Messines, com quem aprendeu a ser uma contadora de estórias. Lina sonhava ser assim: ter os cinco netos sentados aos seus pés, a beberem-lhe os contos que traz da infância. Como faziam ela e o irmão nos serões em que tremiam como varas verdes, não de frio, mas pelos arrepios que essa avó lhes causava com narrativas de lobisomens e outras figuras bizarras, que na altura habitavam o interior algarvio. Todas com um pouco da verdade e outro pouco da fantasia da matriarca, que aprendeu a ler e a escrever sozinha para atravessar a vida dos habitantes da aldeia e depois as da própria família, para chegar até às nossas.

Daí a raiva. Porque ao contrário de Lina e do irmão, os netos, os seus, não lhe ligaram nenhuma. Trocaram-na pela televisão. Para ser ouvida, ela não gritou, escreveu.

Agora sim, podemos falar dos livros. São três, sem contar com o resto das letras que ainda guarda na gaveta e garante jamais irem ganhar vida com capas nem títulos.

Lina Vedes2Lina Vedes1Lina Vedes3

Assim de seguida, para conseguir ser a tempo a tal avó como devem ser as avós, Lina Vedes deu à estampa três volumes feitos com e de deliciosas memórias: ‘Pedaços d’ontem na cidade de Faro’ (2009), ‘Faro- retratos à la minuta’ (2010) e ‘Gente de Faro’ (2017). Todos feitos a partir da sua estória começada em São Brás de Alportel e transferida aos 4 anos para a capital do Algarve, onde se fez professora e construiu estas crónicas com emoções e fotos de época.

São livros de memórias, mas são sobretudo declarações de amor. Ou não confessasse a própria autora “amar Faro, com paixão doentia”.

Depois de ler cada um deles, fica-se na dúvida se escreve para se libertar das estórias, ou se as quer eternizadas. Mas há uma certeza: Lina Vedes nasceu para ser uma escritora plena de inspiração, a quem devemos uma importante herança em palavras bem desenhadas. Por ser simples a sua escrita, ficamos rendidos às gentes de Faro e à história de uma cidade que precisará sempre de gente assim. Como ela!
Pode ser que o resto das tais letras ainda ganhem capa e título…

Um copo ao fim do dia by the Ria Formosa

Um bom vinho ao pôr-do-sol. O que é que se quer mais num final de dia junto à Ria Formosa? A proposta do LAB Lounge Terrace é tão cativante que nos esquecemos de haver, para além desta linha de água, outros elementos que não respirem apenas prazer e uma infinita calmaria.

As almofadas confortáveis, a música acolhedora e o espaço amplo onde o branco se oferece a uma decoração minimalista, preparam-nos para um cenário deslumbrante onde não é preciso acrescentar mais nada para além do tal vinho. Mais suave como os do Tejo, ou mais arrojado para os dias em que nos queremos próximos dos talentos alentejanos.

LAB1Mas a descontração neste verão debruçado sobre o espelho da ria, não se esgota no néctar dos deuses. Instalado no terraço do Centro de Ciência Viva do Algarve, o LAB tem uma ‘carta’ a condizer com as tonalidades do céu, com o canto dos pássaros noturnos e até com as breves sonoridades do vento que nos transporta para ambientes muito calientes.

A decisão oscila entre a variedade de cocktails como o mojito, o daiquiri, a margarita e a caipiroska, ou o gin, a vodka, a tequila, o porto e a sangria de champanhe, que sabe sempre tão bem em qualquer momento do dia ou da noite, que chegam mais devagar durante o verão.

 É bom que saiba outra coisa: podemos acompanhar tudo isto com umas tapas bem elaboradas, que vão mudando de gosto para preservar a curiosidade e a qualidade que, em apenas dois meses de existência, já diferencia o novo bar encostado às muralhas do centro histórico de Faro.

FREDFrederico Lopez é quem manda aqui, mas como o próprio diz, o espaço é público. Por isso no conceito que fez nascer mais uma proposta irrepreensível na animação farense, cabem coisas tão distintas como o concerto meditativo com taças tibetanas e gongos pela Jasmim Art, na próxima terça (4), a partir das 20h.

O LAB tem encerramento previsto para setembro, mas é provável que se estenda até outubro, porque este verão promete. Quanto à minha promessa é a de lá voltar. Muitas e muitas vezes, antes que se acabe.