Os mundos fantásticos da escritora Gorette Jardim

Não parece mas ela é tímida. Se calhar por isso é que escreve. E se calhar também é por isso que pinta. Num destes dias reuniu as duas coisas numa só, acreditou em si própria e surpreendeu quem dela já muito sabia e os outros que começam a querer saber mais.

Dá pelo título de ‘Uma Aventura no Mundo de Graian’ o primeiro livro de Gorette Jardim que, apesar de escondida no pseudónimo Valentina d’Espirais, mostra a cara e um cativante sorriso quando lhe pedimos para falar deste desafio. Já conquistado diga-se, pela coragem que merecem reconhecida todos os autores decididos a publicar no Algarve.

livro

Pela mão da Arandis ganhámos uma nova escritora e uma obra que nos derrete o coração. Esta ‘aventura’ começou por ser um conto levado ao concurso Agostinho de Cultura, da editora Adonis, no Brasil, onde obteve o segundo lugar. Depois cresceu para um formato ilustrado pela própria autora que, há cinco anos, trocou a agitação de Faro pela tranquilidade de uma quinta no interior do concelho de Silves.

Foi aqui que se inspirou para escrever a estória de Mateus, o menino brasileiro e disléxico que vive no barrocal algarvio onde conhece Grifalda, uma menina-árvore. Os dois partem à aventura pelo mundo de Graian. Durante a viagem pelos elementos terra, fogo, água e ar, Mateus vai descobrindo novas realidades e seres fantásticos, confronta-se com os seus medos mais profundos e sendo obrigado a tomar decisões sobre o seu e o futuro de Graian.

“Apesar de ter sido escrito para um público infanto-juvenil, a estória aborda a superação de dificuldades e a necessidade de fazermos escolhas para resolvermos os problemas que nos vão surgindo. Isto, a meu ver, adequa-se a qualquer idade”, sublinha a escritora que, na forja, já tem mais duas estórias. Em ambas, é da fantasia que emergem questões tão pertinentes e atuais como o bullying e a amizade. Aguardamos com expetativa.

Para já deixemo-nos envolver por ‘Uma Aventura no Mundo de Graian’. À venda por 12 euros, o livro pode ser adquirido através da editora Arandis ou em diversas livrarias, hipermercados e quiosques, entre outras lojas.

De Gorette convém dizer ainda que viveu no Brasil e, a par de muitas atividades como instrutora de Hatha Yoga e terapeuta de Massagem de Som, é professora do ensino básico, tem formação em Língua Gestual Portuguesa e especialização em Educação Especial no Domínio da Comunicação e Fala. É mestre em Comunicação, Cultura e Artes com Especialização em Teatro e Intervenção Social e Cultural.

Uma mulher de quem nos orgulhamos de conhecer e de gostar dela!

Quando todos os caminhos vão dar à mesma RUA o melhor é ouvi-los

Há uma rua por onde todos gostam de andar. Que se escreve com letra maiúscula e é feita por gente grande.

É de mérito que falamos quando a conversa é sobre a Rádio Universitária do Algarve. E falar da RUA sem falar primeiro de Fúlvia Almeida é incontornável. A diretora da antena deu uma volta de 180 graus a um projeto com mais de 14 anos, para reinventá-lo com inteligência e criatividade. De 2016 para cá, a rádio tem uma imagem moderna e hiper atual. Trabalho fácil? Nem por isso. Limpar a casa, desinstalar rotinas e alterar quase tudo, pode causar amuos e outras mágoas. A coragem é por isso critério exigido a quem assume desafios que impliquem mudança.

Mas se há coisa que Fúlvia Almeida tem para dar e vender é humildade. Sem querer levar os louros para casa, faz a sua justa distribuição pelos que a acompanham à frente e atrás dos microfones. Sónia Rosa é o outro elemento forte desta equipa que conta com Filipe Cabeçadas na construção de uma playlist seletiva e extremamente cuidada. Por isso dá gosto ouvir a RUA entre as 06h e as 20h.

RUA 2

São no entanto 24 as horas de emissão diária em que podemos sintonizar os 102.7 MHz. Os programas de autor ocupam a grelha a partir das oito da noite para nos acompanharem até às seis da manhã, altura em que a RUA começa a desafiar em direto os ouvintes.

Das 08h às 10h é obrigatório pararmos para um ‘café duplo’ e à tarde há um ‘sentido obrigatório’ numa estação por onde passam todos os dias entrevistas, tertúlias, reportagens, conferências e outros géneros que nos vão ensinando coisas, ao mesmo tempo que nos divertem a sério.

Tudo feito por mais de 20 voluntários. Há os que vestem a camisola da Universidade do Algarve e querem ganhar balanço nas ondas hertzianas, mas também muitos colaboradores. Uns vêm desde a inauguração do projeto, outros foram chegando para ficar.

Agora, vamos lá saber a verdade: ainda não é ouvinte assíduo? Então tem perdido muito do bom que se faz numa rádio onde profissionalismo e jovialidade, só não são sinónimos, porque nenhum dos dois é dispensável. Por isso, sintonize de vez a RUA e faça-se fã. Eu já sou!RUA 3

*Foto de Fúlvia Almeida gentilmente cedida por Bruno Filipe Pires