‘Toino Zé- O Mata Porcos’: entre sem receio porque vai querer ficar

O nome arrepia um bocadinho mas não há quem não se sinta rendido assim de imediato à sua originalidade. Depois queremos saber mais e então recuamos no tempo, à altura em que ‘O Mata Porcos’ começou a ser alcunha para dar a conhecer António Alexandre, amigo de Toino Zé, o pai de Fernando. Já falaremos de Fernando…

Mata porcosVoltemos a ‘O Mata Porcos’ e a 1955, época em que a taberna de António era ponto de encontro para quem se esfolava a trabalhar desde manhã cedo nos fumeiros e nas obras para, ao fim da tarde, procurar aconchego num copo de três e nas parcas palavras com camaradas das mesmas sortes. Mas nem todos se ficavam só pelo vinho. A atração da casa eram na verdade as bifanas do António, que matava porcos na fazenda da Bemposta e os transformava em chouriças e suculentas febras, que lhe haviam de conquistar clientela e fama inabalável. Até hoje.

Por falar em hoje, falemos então de Fernando. Fernando Conceição. Filho de Toino Zé (António José), o homem que, a 8 de abril de 1974 -já os rostos do dia 25 se perfilavam nos quartéis militares, decidiu ficar com o negócio e dar à ‘venda’ um rumo mais adequado à sociedade portuguesa que havia de começar a florescer daí a quinze dias. Celebrava a revolução dos cravos 16 anos, quando o fenómeno do turismo que começava a agitar a região, arrancou Fernando aos estudos universitários para substituir o pai num negócio que passava a exigir o domínio de línguas novas. Uma troca sem dor, a adivinhar pela alegria de Fernando, gerente de uma das mais famosas casas de pasto de Portimão.Toino Zé

Quem entra agora pelo número 22 da Rua Alexandre Herculano, encontra uma atmosfera quase liberta desse passado, que parece muito longínquo para quem dele não fez parte. E digo quase, porque a estória de ‘Toino Zé-O Mata Porcos’ estará eternamente presa ao nome que lhe fez história, razão mais que suficiente para permanecer intocável. Aqui já não são só as bifanas que fazem parte do cardápio. Quem aprecia a gastronomia regional, tem propostas irrecusáveis como arroz de polvo, lulinhas à algarvia, migas com entrecosto, peixe assado na brasa, jaquinzinhos fritos e claro, carne de porco com amêijoas. Mata porcos 1

Tudo isto sabe ainda melhor se repararmos em pormenores como o chão – um prolongamento da calçada da rua das lojas, e também uma parte das paredes forradas a xisto de Monchique, que dão à casa um ar rústico para nos abrir logo o apetite de ficar aqui. Mas o que realmente nos satisfaz é a simpatia do Fernando, homem grande com um sorriso proporcional ao seu metro e noventa, que nos convence a gostar deste ambiente familiar e caseiro. Caseiro na verdadeira acepção da palavra porque, o que sentimos quando apreciamos a forma como o Fernando recebe os clientes, é a impressão de estarmos na casa de alguém de família. E isto já é tão raro…! E continua a ser tão bom!

E lá se vão os arrepios…

 

Provar antes de comprar conservas portuguesas é moda em Portimão

Há muito tempo que a curiosidade me empurrava para o outro lado do vidro onde seis mesinhas quadradas me propunham um tranquilo entardecer dominado pelo mais português dos sabores portugueses. Até que na semana passada foi possível enganar o tempo para conhecer mais de perto este projeto singular com nome de mulher: Maria do Mar.

Singular porque juntou num único conceito duas formas de nos entendermos em… conservas. A venda ao público e a degustação. Ambas tão apelativas quanto as centenas de latinhas coloridas que decoram o expositor do tamanho de uma parede, para lá caberem as 330 variedades de atum, sardinha, cavala e outras especialidades capazes de nos abrir o apetite mesmo às horas em que não se come.

Com preços que variam entre os 2,90€ e os 6,50€, o menu de degustação põe-nos um pouco à deriva. Por uma razão única: querermos comer tudo numa única vez, tão grande é a vontade de nos embriagarmos com sabores tão antigos, tão intensos, tão nossos. Salva-nos a habilidade da simpatiquíssima Rosário Peixinho, para nos decidirmos por onde começar.

Se optar pelo paté de truta com vinho do porto ou a tiborna de cavala enfeitada com uma salada muito suave e aromatizada, fará uma ótima escolha. Mas o mais certo é ter de lá voltar porque quase todas as propostas do menu apresentam a opção picante. E já sabe que pode saborear no local ou levar para casa. Ou as duas coisas, porque qualquer um destes petisquinhos são tão práticos e generosos que nos servem de refeição.loja_1

A ideia ganhou espaço na Rua Direita, em Portimão, pela inspiração de dois homens que partilham um nome e o gosto pelas conservas portuguesas. Em cinco anos Pedro Franco e Pedro Estorninho fizeram com que a Maria do Mar caísse no goto de muita gente. Os turistas já procuram a casa, mas os clientes habituais são residentes e visitantes nacionais, rendidos à mítica iguaria que continua a alimentar a cultura portuguesa. Sobretudo desde que passou a ser reconhecida como produto de elevado valor nutricional, com lugar reservado na dieta mediterrânica. Daí a conquistar o estatuto gourmet foi um passo, mas um passo importante, por trazer nova vida ao mercado e a muitas marcas de prestígio que se apuram cada vez mais em novas variedades de sabores.lata

Satisfeita uma curiosidade, faltava outra, tão original quanto a primeira. O nome do nº 89 da Rua Direita é inspirado no filme do cineasta Leitão de Barros (1930), considerado um dos mais importantes na história do cinema nacional: Maria do Mar.

Vender velharias: uma experiência muito ‘trendy’

O encanto pode já não ser o mesmo. Provavelmente porque não enterramos os pés na lama nem engolimos pó a saber a mofo. Mas as feiras de velharias ainda conseguem transportar-nos para um mundo de infindáveis fantasias, sobretudo quando nos encontramos com peças que já não víamos há mais de 20 anos. Lembrar a infância nunca fez mal a ninguém e aqui podemos aceitar, sem resistência, o desafio para visitarmos as nossas recordações mais antigas.

São muitas, variadas, e embora algumas já fujam ao verdadeiro conceito que as levou para a rua, ocupam o calendário nos 12 meses do ano. Ser vendedor ambulante ou de ocasião deixou, aliás, de ser sinónimo de estrato social menor, para passar a ser uma experiência muito trendy, que atrai especialmente quem quer limpar a casa e a vida dos excessos já desprovidos de valor emocional. Porque valor comercial…bem, há sempre quem o encontre na maioria das nossas bugigangas, sobretudo se roçarem o estilo vintage, agora muito apreciado na esfera das elites culturais.

Aos sábados e domingos, de uma ponta à outra do Algarve, tem muito por onde escolher. Para comprar, ou para vender! Em qualquer dos casos é sempre divertido. Por isso aproveite e se puder ganhe uns trocos!

Mercadinhos tradicionais: onde se compra tudo mais barato

São pequenos oásis nas cidades já pouco habituadas aos tons da natureza. Percorrer as bancas arrumadinhas com os aromas e as cores de produtos fresquinhos vindos diretamente do campo tornou-se uma saudável rotina nas manhãs de fim-de-semana, um pouco por todo o Algarve.

Para a gente urbana é uma oportunidade para comprar produtos de qualidade a preços mais baixos. Para os pequenos agricultores, uma excelente forma de rentabilizarem hortas domésticas e projetos de menor dimensão sem espaço nos grandes circuitos comerciais.

Mercado 5_1Mercado 6_1

Aliadas as duas conveniências, o que temos são verdadeiras telas rurais que se plantam uma vez uma semana nos largos principais das nossas vilas e cidades, para nos oferecerem ambientes descontraídos onde o ar cheira bem.

Desta vez fui ao de Faro. Decorre todos os domingos de manhã, no Largo do Carmo, e é ponto de encontro obrigatório para quem não tem vergonha de fazer parte de um certo espírito revivalista. Eu gostei e comprei!

As gémeas que se dedicam à ‘alquimia’ em Olhão

Se não fosse pela deliciosa sandes de queijo fresco, se não fosse pelos irresistíveis sumos naturais e pelos hiper energéticos detox, se não fosse pelos variadíssimos produtos regionais, ou por esta mania de ir comer a Olhão, iria sempre à Alquimia da Terra pela simpatia das irmãs Camões.

Passar por Olhão e ignorar o convite para nos sentarmos à fresca na esplanada laranja e verde, não vale a pena! É aqui que temos a oportunidade de conhecer a mais agradável loja gourmet da cidade cubista e o sorriso temperamental da Fátima a contrastar com os gestos serenos da Margarida. Ambas nascidas no mesmo dia, em Abrantes, ou não fossem gémeas.

Virada para fora e para dentro dos mercados tradicionais que, quer queiramos, quer não, fazem-nos sempre lembrar um certo passado arabesco, a Alquimia da Terra é uma lufada de ar muito clean na inquieta 5 de Outubro.

alq 2alq 3

São muito de terras algarvias os produtos à venda para consumirmos na hora, ou para levarmos para casa. Ao almoço temos de ir cedo para apanhar a quiche, mas a sandes de queijo fresco em pão escuro é das melhores que já comi na minha vida. Acompanhada por um sumo natural, claro! De frutas ou de vegetais: a grande aposta desta loja singular que nos provoca a gula pelos produtos da terra.

Quer se entre pela esplanada virada para a avenida, ou pelo mercado dos frescos, não há meia volta a dar. Os licores regionais, o mel, os saquinhos de flor de sal temperado com vinho do porto ou piri-piri, as conservas, os figos, os patês, os azeites e o medronho, a ginja, os portos, as amêndoas, as bolachinhas e os bolos secos, dão-nos a volta à cabeça. E é possível vir embora sem participar na prova de bebidas espirituosas que está disponível a qualquer hora? Não!

No meio disto tudo ainda temos as mimosas peças de olaria de Francisco Eugénio e as sacolas coloridas feitas pelas mãos de Paula Rocha, amiga da casa.

Mas não pense que chega lá e avia-se sempre à vontade. Ai de quem se atrever a pedir um sumo onde a melancia e o morango sigam juntos. Atrevi-me e fiquei com a minha ignorância posta a nu. A mim serviu-me de lição. A quem lá for, que se sirva de tudo e que tudo lhe sirva de muito bom proveito. É o meu desejo!

Moda portuguesa é aposta de empresária corajosa

Ela reinventa-se para nos surpreender. Chama-se Carla Farias e já faz parte da história de Faro. Pela presença e pela coragem de apostar em marcas portuguesas numa cidade onde, exclusividade e elegância, são virtudes às vezes ignoradas por uma maioria que parece andar distraída.Coleção Cafofo

Na rua Vasco da Gama há já três anos, Carla virou o ‘Bichinho de Conta’ para a moda portuguesa e trouxe para Faro várias marcas nacionais de vestuário. A maioria fabricada em Portugal como é o caso da Foursoul, da Guimanos, da Scusi, da Mafalda Leitão e da Cafofo. Ou aquelas que, sendo parcialmente nossas, são feitas fora de portas como a Nafta e a Tropical Brasil.

Consciente do que a mulher moderna procura, ela juntou aos trapinhos de alta qualidade bonitos acessórios também muito portugueses, como as malas Beneditas.

 

Beneditas

Pelo amor à arte que a fez abrir a primeira loja de materiais para artesanato na travessa Rebelo da Silva, já lá vão dez anos, Carla mantém uma linha de bijutaria personalizada. O stock de materiais para venda aos amantes do conceito DIY (Do It Yourself) já é muito reduzido, mas a empresária preservou uma linha de joalharia com a sua etiqueta que inclui, entre outras peças, pulseiras, brincos, colares e gargantilhas. Tudo muito sofisticado e feito à mão, com a habitual originalidade que tem marcado o seu percurso.

Bijuteria

Bem localizada na ‘baixa’ de Faro, a loja já fidelizou clientes, a maioria mulheres na casa dos 30 e portadoras de um gosto requintado que lhes permite apreciar e valorizar as marcas portuguesas. Mas a faixa mais jovem está na mira da empresária algarvia, ciente de que as propostas nacionais estão em plena sintonia com as tendências ditadas pelos principais centros mundiais da moda.

E tão bem anda o negócio que o ‘Bichinho de Conta’ já se prepara para novo desafio. Desta vez em Olhão, onde está por dias a abertura da nova loja na Rua do Comércio. A prova de que a inteligência serve para muito, sobretudo a ambição de quem sabe gerir o êxito, mesmo com a crise ainda a morde-nos as canelas.

Carla é assim: com uma atitude vencedora e um bom gosto irreparável, vai conquistando o mercado e conquista-nos a nós. Perseverança é uma das suas qualidades maiores. Um exemplo a seguir por muitas mulheres empresárias com receio de arriscar. Sigam-na!

Quando todos os caminhos vão dar à mesma RUA o melhor é ouvi-los

Há uma rua por onde todos gostam de andar. Que se escreve com letra maiúscula e é feita por gente grande.

É de mérito que falamos quando a conversa é sobre a Rádio Universitária do Algarve. E falar da RUA sem falar primeiro de Fúlvia Almeida é incontornável. A diretora da antena deu uma volta de 180 graus a um projeto com mais de 14 anos, para reinventá-lo com inteligência e criatividade. De 2016 para cá, a rádio tem uma imagem moderna e hiper atual. Trabalho fácil? Nem por isso. Limpar a casa, desinstalar rotinas e alterar quase tudo, pode causar amuos e outras mágoas. A coragem é por isso critério exigido a quem assume desafios que impliquem mudança.

Mas se há coisa que Fúlvia Almeida tem para dar e vender é humildade. Sem querer levar os louros para casa, faz a sua justa distribuição pelos que a acompanham à frente e atrás dos microfones. Sónia Rosa é o outro elemento forte desta equipa que conta com Filipe Cabeçadas na construção de uma playlist seletiva e extremamente cuidada. Por isso dá gosto ouvir a RUA entre as 06h e as 20h.

RUA 2

São no entanto 24 as horas de emissão diária em que podemos sintonizar os 102.7 MHz. Os programas de autor ocupam a grelha a partir das oito da noite para nos acompanharem até às seis da manhã, altura em que a RUA começa a desafiar em direto os ouvintes.

Das 08h às 10h é obrigatório pararmos para um ‘café duplo’ e à tarde há um ‘sentido obrigatório’ numa estação por onde passam todos os dias entrevistas, tertúlias, reportagens, conferências e outros géneros que nos vão ensinando coisas, ao mesmo tempo que nos divertem a sério.

Tudo feito por mais de 20 voluntários. Há os que vestem a camisola da Universidade do Algarve e querem ganhar balanço nas ondas hertzianas, mas também muitos colaboradores. Uns vêm desde a inauguração do projeto, outros foram chegando para ficar.

Agora, vamos lá saber a verdade: ainda não é ouvinte assíduo? Então tem perdido muito do bom que se faz numa rádio onde profissionalismo e jovialidade, só não são sinónimos, porque nenhum dos dois é dispensável. Por isso, sintonize de vez a RUA e faça-se fã. Eu já sou!RUA 3

*Foto de Fúlvia Almeida gentilmente cedida por Bruno Filipe Pires

Como a Elisa nos faz crescer água na boca…

Sabe tão bem estar aqui! Os olhos são os primeiros a despertar em nós as tentações do paladar mas, quando entramos, é o sorriso afável de Elisa que nos convence a ficar para conhecer, provar e comprar. Se não todos, pelo menos alguns dos muitíssimos e irresistíveis produtos 100% regionais que tem à venda na Mercearia do Algarve.

Podia ser uma mercearia qualquer, mas não é. O projeto é inovador por contemplar toda a região algarvia na sua imensa riqueza gastronómica e trazer para Portimão deliciosas iguarias que, nalguns casos, só era possível experimentar em zonas serranas a muitos quilómetros de casa.

Elisa Malheiro

Esta aventura com quase dois anos começou num verdadeiro périplo pela região. Acompanhada pelos pais, Elisa Malheiro correu o Algarve de lés a lés para conhecer (e provar) os produtos mais genuínos que cá se fazem e estabelecer parcerias com as empresas locais. Por isso conhece pessoalmente a maioria dos seus fornecedores, com quem mantém uma ligação comercial mas também muito afetiva. Talvez o segredo para o sucesso deste projeto que fez da Rua Direita local obrigatório para parar e voltar. Sempre!

 

Já a salivar? Espere mais um pouco… Aqui encontramos, não só os sabores tradicionais já nossos conhecidos, mas também tudo aquilo que nunca imaginámos ser possível comer. Especialmente quando o doce decide fundir-se com o amargo ou cruzar-se com o picante, para nos surpreender, às vezes em experiências verdadeiramente afrodisíacas. Agora sim, prepare-se para fazer a lista de compras, mas não se esqueça que estas são apenas algumas, das muitas sugestões com que Elisa nos faz crescer água na boca.

Expostos de forma carinhosa em armários, prateleiras, cestinhos, frascos e toalhas brancas, há figos secos torrados com alecrim e piri-piri, azeites extra vigem biológicos, manteiga de alfarroba e amêndoa, cogumelos do cardo, cabazes biológicos, broas de chocolate com mel e pimenta-rosa, pão de batata-doce e nozes ou figo, pastéis de batata-doce e de alfarroba (parecem os de nata mas enganam), iogurtes de leite de cabra, cerveja artesanal, bolachinhas, licores, conservas e mais um infindável mundo de autênticas provocações que nos deixam rendidos aos ‘sabores cá da gente’ como garante o seu slogan.Mercearia 3

Antes ou depois das primeiras compras, pode começar a acompanhar as novidades que Elisa apresenta diariamente na página do Facebook.

Fica o aviso: sair da loja sem trazer um saco cheio é impossível. E há mais surpresas: as provas de produtos que Elisa promove regularmente na mercearia, proporcionam excelentes momentos de convívio e um verdadeiro intercâmbio de conhecimentos gastronómicos onde vale a pena estar presente. E é aqui tão perto. Vá lá…!