A nossa Feira já voltou à cidade

A Feira de Faro toca-nos a todos. Não há farense, nascido ou não por cá, que não sinta este assalto de emoções que se cruzam um pouco entre a ternura e a nostalgia, quando o Largo de São Francisco é invadido por uma parafernália colorida e muito ruidosa para se fazer ouvir na cidade inteira.

Bem sei que estamos todos forçados à evolução e, mais dia, menos dia, a Feira de Faro tinha de vir a ser o que é hoje. A diversão a par de um ombreado de barracas sem personalidade nenhuma, mas muito obedientes a impiedosos critérios de segurança. Não é condenável, mas é uma chatice. Não para as gerações mais novas, porque essas já não vão a tempo de guardar da nossa feira uma imagem carregada do mesmo romantismo que nos faz, a nós, falar dela com a voz um bocadinho embargada. Para quem ansiava pela chegada do mês de outubro e não se importava de enterrar os pés na lama antes de saltar para o carrossel, ou entrar num circo literalmente a rebentar pelas costuras, a questão é muito séria…

Feira 5Todos os anos vou à Feira de Santa Iria. E apesar de não ser nada saudosista, cedo sempre à insistência de umas quantas recordações que gostam de me fazer companhia logo à entrada das ruas estreitinhas, onde antigamente começávamos a encontrar as mulheres do campo a vender nozes e figos torrados em sacos de serapilheira desordenados pelo chão. Onde já nos sentíamos empurrados para a frente pela voz roufenha do leiloeiro de mantas que nos enchia os ouvidos e de uma grande vontade de ter uma assim peludinha a aquecer-nos o inverno. Porque nessa altura fazia frio e chovia durante a feira. E comprava-se ioiôs de serradura que ninguém suspeitava serem armas perigosas mascaradas de brinquedo. E o algodão doce, que era feito de uma doçura natural e tinha um tamanho maior do que a nossa cabeça, deixava-nos os lábios pintados a cor-de-rosa. E também havia multidões descoordenadas à porta dos circos e nas pistas dos carros de choque, porque ninguém sabia o que era uma fila e a educação era uma coisa espontânea. A feira era feia mas deslumbrava-nos tanto, que por nós estávamos lá todos os dias.Feira

Se gostava que a Feira ainda fosse o que era? Não! Mas só porque agora, sou eu que limpo os meus sapatos.

Hoje é o primeiro dia da Feira de Santa Iria e antes que acabe vou lá fazer o que sempre fiz: comprar um saquinho de torrão de Alicante e mordê-lo devagarinho, enquanto volto para casa a disfarçar o outro sabor -o desta parvinha saudade. Isso, ninguém me tira! E a chuva também há-de voltar…!

‘Toino Zé- O Mata Porcos’: entre sem receio porque vai querer ficar

O nome arrepia um bocadinho mas não há quem não se sinta rendido assim de imediato à sua originalidade. Depois queremos saber mais e então recuamos no tempo, à altura em que ‘O Mata Porcos’ começou a ser alcunha para dar a conhecer António Alexandre, amigo de Toino Zé, o pai de Fernando. Já falaremos de Fernando…

Mata porcosVoltemos a ‘O Mata Porcos’ e a 1955, época em que a taberna de António era ponto de encontro para quem se esfolava a trabalhar desde manhã cedo nos fumeiros e nas obras para, ao fim da tarde, procurar aconchego num copo de três e nas parcas palavras com camaradas das mesmas sortes. Mas nem todos se ficavam só pelo vinho. A atração da casa eram na verdade as bifanas do António, que matava porcos na fazenda da Bemposta e os transformava em chouriças e suculentas febras, que lhe haviam de conquistar clientela e fama inabalável. Até hoje.

Por falar em hoje, falemos então de Fernando. Fernando Conceição. Filho de Toino Zé (António José), o homem que, a 8 de abril de 1974 -já os rostos do dia 25 se perfilavam nos quartéis militares, decidiu ficar com o negócio e dar à ‘venda’ um rumo mais adequado à sociedade portuguesa que havia de começar a florescer daí a quinze dias. Celebrava a revolução dos cravos 16 anos, quando o fenómeno do turismo que começava a agitar a região, arrancou Fernando aos estudos universitários para substituir o pai num negócio que passava a exigir o domínio de línguas novas. Uma troca sem dor, a adivinhar pela alegria de Fernando, gerente de uma das mais famosas casas de pasto de Portimão.Toino Zé

Quem entra agora pelo número 22 da Rua Alexandre Herculano, encontra uma atmosfera quase liberta desse passado, que parece muito longínquo para quem dele não fez parte. E digo quase, porque a estória de ‘Toino Zé-O Mata Porcos’ estará eternamente presa ao nome que lhe fez história, razão mais que suficiente para permanecer intocável. Aqui já não são só as bifanas que fazem parte do cardápio. Quem aprecia a gastronomia regional, tem propostas irrecusáveis como arroz de polvo, lulinhas à algarvia, migas com entrecosto, peixe assado na brasa, jaquinzinhos fritos e claro, carne de porco com amêijoas. Mata porcos 1

Tudo isto sabe ainda melhor se repararmos em pormenores como o chão – um prolongamento da calçada da rua das lojas, e também uma parte das paredes forradas a xisto de Monchique, que dão à casa um ar rústico para nos abrir logo o apetite de ficar aqui. Mas o que realmente nos satisfaz é a simpatia do Fernando, homem grande com um sorriso proporcional ao seu metro e noventa, que nos convence a gostar deste ambiente familiar e caseiro. Caseiro na verdadeira acepção da palavra porque, o que sentimos quando apreciamos a forma como o Fernando recebe os clientes, é a impressão de estarmos na casa de alguém de família. E isto já é tão raro…! E continua a ser tão bom!

E lá se vão os arrepios…

 

E se ganhasses um jantar delicioso no Hotel Rural Quinta do Marco?

Sonhar com umas férias em plena harmonia com a natureza, longe do rebuliço das cidades, faz parte da fantasia de qualquer um de nós. No Hotel Rural Quinta do Marco, no coração da serra algarvia, encontramos o conforto, a tranquilidade e a qualidade de um serviço excecional, que nos fazem acreditar estarmos mesmo a viver um sonho.

Localizado em Santa Catarina da Fonte do Bispo, no concelho de Tavira, este belo hotel de quatro estrelas sobranceiro ao oceano atlântico, está aninhado nas colinas verdejantes do sotavento, num convite privilegiado ao bem-estar físico e mental. Atividades ecológicas e desportivas fazem parte das experiências oferecidas aos hóspedes, que encontram aqui o espaço ideal para repousar e retemperar energias.

Aqui tudo nos faz sentir bem. Desde o conforto dos quartos climatizados, onde despertamos para um amanhecer radioso ao som do canto melodioso dos pássaros, passando pelo ambiente acolhedor do Spa, às temperaturas amenas das piscinas, ao sossego do jardim mediterrânico e ao cenário deslumbrante que se avista do restaurante panorâmico, tudo está pensado para nos proporcionar umas férias inesquecíveis.

Quinta do Marco1Pois bem, desta vez não propomos umas férias, mas um delicioso jantar para duas pessoas. A pensar na felicidade dos leitores, o Mal Dito Algarve e o Hotel Rural Quinta do Marco decidiram proporcionar-lhes momentos de pleno prazer no restaurante panorâmico do empreendimento onde, para além de uma excelente refeição inspirada na cozinha tradicional, irão com certeza aproveitar a magnífica beleza das paisagens serranas.

Para participarem neste passatempo e se habilitarem à oferta de um jantar memorável, os leitores só têm de fazer três coisas simples:

– Seguir (fazer gosto) a página de Facebook do Hotel Quinta do Marco

– Seguir (fazer gosto) a página de Facebook do Blog Mal Dito Algarve

– Preencherem, até ao dia 9 de outubro (2ª-feira), o formulário publicado abaixo. Atenção que só é válida uma inscrição por e-mail. Os vencedores serão selecionados aleatoriamente através do RANDOM ORG e posteriormente contactos. Participem, divirtam-se e boa sorte!

*artigo em parceria com o Hotel Rural Quinta do Marco